O que fazer com o meu pequeno mamífero nas férias?

O que fazer com o meu pequeno mamífero nas férias?

Hamsters, porquinhos-da-índia, cobaias e até coelhos anões… Os pequenos mamíferos também têm direito às suas férias! Quer decida levá-lo (de carro, comboio, barco, etc.) consigo ou que ele mantém-se em casa, siga nossas dicas para que tudo corra bem quer para ele quer para si.

Viajar de carro, comboio ou barco

Antes da partida, prepare o seu animal de estimação para que a viagem seja o mais tranquila possível. Para o seu conforto, dê-lhe um pequeno banho que o hidratará. Faça-o beber e dê-lhe uma refeição leve: cerca de um terço de sua ração normal.

Para viagens de comboio, consulte a companhia ferroviária para conhecer as disposições em vigor.

De barco, os animais são permitidos, mas lembre-se de que podem estar doentes e a duração das viagens marítimas é muitas vezes um problema. Mais uma vez, verifique com a empresa as suas necessidades. Muitas vezes os animais são isolados e cuidados pelos membros da tripulação.

Para escolher a transportadora mais adequada ou outro equipamento (arnês, rede), pergunte aos nossos técnicos que poderão aconselhá-lo.
Escolha uma transportadora bem ventilada e fácil de limpar, pois os animais em stress podem vomitar ou fazer necessidades.

Para tranquilizar o seu animal de estimação se ele estiver nervoso, não se esqueça de levar os seus brinquedos e objetos familiares que o tranquilizarão e não poupe em palavras doces e miminhos!

Nunca deixe um animal fechado num carro quente. A insolação é comum e muitas vezes fatal.
Se o carro não estiver equipado com sistema de ar condicionado, deixe uma janela entreaberta, estacione-a sempre à sombra, coloque um pano húmido sobre a gaiola ou cesto de transporte.
Molhe o pelo do seu animal regularmente pulverizando-o.

Conselho da Jardiland: Não deixe o seu animal de estimação no carro durante as pausas na estrada. Pense nele também e dê-lhe um pouco de ar fresco!

Ir para o estrangeiro

Se quer levar o seu animal de estimação para o estrangeiro, nem pensar em improvisar.
Informe-se com bastante antecedência sobre a legislação reguladora tanto no país de destino como no país de partida.
Esteja ciente de que alguns países simplesmente proíbem a introdução de animais no seu território. Outros os submetem a quarentenas, às vezes longas, de até seis meses, isolando-os, mesmo que se comprove que os animais foram vacinados, principalmente contra a raiva.

Uma vez que todas essas informações foram reunidas, organize a viagem. O transporte de animais por via aérea é relativamente barato, mas, novamente, descubra com antecedência. Os animais, que sob certas condições podem viajar na cabine, devem viajar numa gaiola, caixa ou bolsa que cumpra os regulamentos da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).
As companhias aéreas têm as suas próprias regras. Pode ser proibido, por exemplo, viajar com determinadas raças de animais, fêmeas no cio, gestantes ou lactantes.

Conselho da Jardiland: Antes da viagem de avião, dê comida e bebida ao seu animal de estimação, mas com moderação. Peça ao seu veterinário para receitar um calmante suave e marque o nome do animal do lado de fora da gaiola ou caixa.

Cuidar deles no seu local de férias

Quando chegar ao destino, não pense que os cuidados acabaram. Certos perigos aguardam os seus companheiros.

Antes de soltar o animal em território desconhecido, faça uma pequeno tour de reconhecimento para certificar-se de que não há armadilhas, produtos tóxicos (especialmente produtos de tratamento nos jardins), insetos perigosos (enxames de abelhas ou vespas), outros animais agressivos ou venenosos, estradas e vias movimentadas.

Evite deixar o seu roedor vaguear num jardim. Ele pode ingerir plantas nocivas. Limite-o a uma pequena área fechada e sombreada: quadrado de relva ou prado. As plantas não são todas inofensivas. Algumas causam dermatite. Este é particularmente o caso de relvados recém-cortados.

Se o seu animal de estimação estiver a coçar-se, tente identificar a causa e não hesite em consultar um veterinário local se persistir.

Finalmente, se ouvir o animal de estimação gritar ou reparar em alguma vermelhidão ou inchaço, é provável que ele tenha sido picado por um inseto. Tente remover o ferrão com uma pinça e, em seguida, coloque gelo na picada.

Leve consigo uma pomada veterinária anti-inflamatória, muito útil especialmente em caso de picadas de insetos.

Se notar que o animal está a tremer de frio e que as suas mucosas estão pálidas, pode ter sido mordido por um animal venenoso (víbora em particular). Leve-o imediatamente ao veterinário mais próximo.

Manter o seu roedor durante as férias

Se for impossível levá-lo consigo, existem três soluções.
Ou confia-o a um parente ou amigo que cuidará dele. Esta solução é de longe a melhor. Nesse caso, certifique-se de que o animal fique na mesma em casa, pois na sua ausência, se for levado para um local desconhecido, pode não adaptar-se e fugir.

Também pode deixá-lo num canil ou hotel. Esteja ciente, porém, que mesmo num estabelecimento bem administrado, onde ele será alvo de cuidados e atenção, essa opção é muito mais preocupante. E é sempre difícil saber exatamente o que está acontecer na sua ausência.

Existem agora serviços de cuidados e visitas ao domicílio mais dispendiosos (cerca de 10 a 25 euros por dia, dependendo da empresa). Mas, é bom saber!

Conselho da Jardiland: Quando tiver de deixar um animal em casa, não hesite em pedir conselhos aos nossos especialistas. 

Deixar um comentário