Visco, uma planta com muita história

O visco é uma planta com uma longa tradição que vem desde os antigos druidas, uma vez que para eles era sagrado; um bem para todo o mal físico ou mágico. Entre outras propriedades, atribuia-se o poder para proteger e curar de forma mágica, além de suas virtudes para combater a arteriosclerose e pressão arterial.
Era considerado um símbolo de paz e um poderoso amuleto de protecção, além de um símbolo de masculinidade, ao contrário do azevinho, que era o símbolo da feminilidade. De acordo com uma velha superstição, colocava-se sobre o berço do bebé para evitar que as fadas o roubasse e substituísse por outro.
Há lendas que dizem que os seus poderes mágicos vêm do facto de ter sido criado com um elemento que não era do céu nem da terra, já que as suas raízes nunca tocam a terrra, apesar de não se manter por si só no ar. Daí o costume de o colher sem permitir que caia ao chão e de pendurá-lo no tecto.


Fonte

O beijo dado debaixo do visco

O visco era amplamente utilizado nas festividades associadas com o fim do ano celta no dia 1 de novembro e no solstício de inverno. Com o surgimento do cristianismo, entre o povo ainda era considerado um bom presságio para quem o possuísse e se tivesse sido cortado com a devida reverência, mas a sua forte simbologia pagã fez caí-lo em desuso, salvo no que respeita à tradição “romântica”. Já na antiguidade, acreditava-se que um beijo dado debaixo de uma árvore com visco fazia durar o amor ou até mesmo fazê-lo surgir. Esse é o significado do costume actual de beijar sob o visco  (geralmente pendurado numa porta ou no tecto, na ausência de um carvalho ou uma azinheira): acredita-se que faz o perdurar o amor.

via ]

Deixar um comentário