Encontrada planta desaparecida há dois séculos

Cerca de três mil exemplares da Parentucellia viscosa, uma planta conhecida como clamor pegajoso que havia desaparecido da província de Valência há mais de dois séculos, foram localizados no Parque Natural de Pego-Oliva, províncias de Alicante e Valência. Tratando-se de uma planta anual, intimamente ligada ao regime de chuvas e de secas, esta quantidade pode variar significativamente entre os anos sucessivos e até mesmo desaparecer temporariamente em anos secos.

Fonte

As espécies recém-descobertas vivem em pastagens e campos abandonados e estão divididas em três pequenas manchas espalhadas num hectare de área. Catalogada como em perigo de extinção, a Parentucellia viscosa é considerada semi-parasita, e, apesar de obter uma grande parte da sua alimentação dos minerais e outros componentes do solo, precisa parcialmente colonizar outras plantas através de suas raízes. Até ao momento, de acordo com as mesmas fontes, não foram capazes de determinar cientificamente as plantas hospedeiras em que cresceram. Nos próximos meses, os trabalhos com esta espécie centralizar-se-ão em conhecer as suas necessidades de germinação e cultivo, bem como a localização de possíveis plantas hospedeiras, uma vez que é provável que para crescerem em estufas devem ser implementadas em conjunto. Em terras valencianas conhecem-se escassas populações em Xàbia e afloramentos em rochas ácidas ou livres de cal no centro-sul de Castellón. Dois séculos atrás, em 1792, o botânico valenciano recolheu uma amostra da planta na província de Valência, na cidade de Oliva e depositou-a numa folha de herbário no Jardim Botânico Real de Madrid, onde ainda se conserva.

Fonte

Na mesma área de Oliva em que foram encontradas as populações de Parentucellia, foram localizadas várias dezenas de exemplares de uma espécie rara de orquídea, a Serapias parviflora. Trata-se de uma planta herbácea perene, mas através de rizomas subterrâneos, também de tamanho muito pequeno, encontrando-se incluída na lista das espécies protegidas não catalogadas.

 

Deixar um comentário