Um réptil que nada debaixo da areia!

Scincus scincus ou peixe de areia

Scincus scincus é conhecido como peixe de areia devido à sua capacidade de mergulhar dentro da areia e mover-se através dela, como se estivesse a nadar na água.

Os cientistas descobriram, estudando os seus movimentos através de raios-X, que se locomovem dobrando os membros e  ondulando o corpo como as serpentes. A meio caminho entre os lagartos e as serpentes, habitam os desertos do Sahara e o Norte de África, a Arábia Saudita, Irão e Iraque.


Fonte

O hábito que esta espécie tem de cavar tocas na areia e mergulhar nela não acontece por acaso: fazem-no para equilibrar a temperatura do corpo. Para evitar o calor escaldante do deserto, cavam até chegar às camadas menos superficiais da areia, onde o calor não chega, regulando assim a temperatura com areia fresca.

Esta técnica é também usada para fugir quando se sente ameaçado. Insectívoro, é capaz de detectar debaixo da terra os movimentos das suas presas, grandes insectos e até mesmo crias de ratos e ratazanas, graças às vibrações que produzem.

Também se alimenta de folhas de plantas, verduras e algumas frutas comestíveis, embora a ingestão de frutas deva ser mínima, uma vez que em excesso, pode causar cólicas e diarréia. Em cativeiro, também pode comer ovos de galinha e de codorniz.


Fonte

Quando são adultos, podem chegar a medir 20 centímetros, incluindo a pequena cauda que termina numa ponta fina.

De patas fortes e curtas com pés longos e achatados, tem um corpo esguio coberto com uma brilhante pele de lisas e luminosas escamas.

O focinho, com o qual escava na areia, tem forma de cunha com a mandíbula inferior rebaixada. Os olhos e as fossas nasais são minúsculos para evitar que entre areia. De ventre branco, tem uma coloração muito atraente em tom caramelo com linhas castanhas.


Fonte

De reprodução ovípara, geralmente só têm uma cria (às vezes são duas, especialmente nas fêmeas mais velhas) que protegem tendo-a ao seu lado durante várias semanas após o nascimento.

Se vão viver num terrário, deve ter um tamanho mínimo de 100x50x100 centímetros., com uma altura considerável para que possa trepar pelos galhos das árvores.

A decoração do seu espaço deve incluir ramos com diferentes alturas e muitas plantas, vivas ou artificiais, para que tenham uma densidade suficiente que lhe permita esconder-se. Apesar de ser uma espécie nocturna, deve ter 12 horas de luz solar, com temperaturas diurnas que oscilem entre 26º e 32°C, e entre 21º a 25°C durante a noite.

Nestes dois vídeos, pode observar como submergem na areia e, através dos raios-X, como se move dentro dela. Espectacular, não é?

Deixar um comentário