Dia Mundial do Animal Abandonado

Um dia para chamar a atenção para todos os animais abandonados

Este sábado, 17 de agosto, marca o Dia Mundial do Animal Abandonado, um dia em que é preciso tomar consciência de todos os animais que vivem nas ruas ou em abrigos à espera de uma nova vida.


Fonte

Desde 1992, no terceiro sábado de agosto, é comemorado este dia com o objetivo de promover novas campanhas, programas e ideias com vista a arranjar soluções para a superpopulação de animais de estimação que vivem na rua ou não têm um lar. Durante todo o dia, as organizações em todo o mundo reúnem-se e realizam diversas actividades para sensibilizar o público sobre esta questão.

Desde 1992, a Sociedade Internacional dos Direitos dos Animais (ISAR) decidiu estabelecer este dia, ano após ano, tentando espalhar a necessidade de controlar a população de animais por forma a impedir que muitos vivam em condições precárias ou que sejam abandonados pelos seus proprietários.

Tem como objectivo incutir a necessidade de controlar a sua procriação, estabelecer programas públicos de esterilização e educar no sentido da adopção, cuidados e protecção desses companheiros ao longo da sua vida. Trata-se de englobar, num só dia, todos os tipos de actividades para chamar a atenção dos meios de comunicação e as agências governamentais para a necessidade de resolver este problema e angariar fundos para o acolhimento e tratamento dos animais de rua.

Fonte

Com apenas três conceitos simples pode-se evitar a superlotação dos abrigos e a triste vida dos considerados animais de companhia que sofrem por causa da superpopulação e abandono: adoptar, cuidar e esterilizar.

É muito fácil e lógico, mas, infelizmente, nem todas as pessoas fazem isso. Os animais não são um brinquedo ou um objecto que podem ir buscar ou deitar fora quando já não interessa. Eles são seres vivos e devem ser tratadas como tal. Portanto, é necessário cuidar deles ao longo das suas vidas, algo que requer um grande exercício de reflexão antes de decidir compartilhar  as nossas vidas com um deles. A responsabilidade de ter um animal em nosso cuidado envolve muito esforço e dedicação, tanto no tempo como financeiramente, por isso, vale a pena planeá-lo bem antes de adoptar. Eles irão retribuir todo o amor que lhe dedicarmos, mas, será sempre prudente estar consciente do que envolve acrescentar um novo membro à família. Com o objectivo de combater a superpopulação animal, é altamente recomendável adoptar um animal que está à espera de uma segunda oportunidade e, em seguida, esterilizá-lo para evitar o aumento do número de animais de estimação que vivem actualmente à nossa volta.

Com consciência e responsabilidade, reduzir-se-ía significativamente o problema dos animais abandonados. Apesar de não ser tarefa fácil, também, não é impossível. Basta contribuirmos com os nossos grãos de areia e conseguiremos uma sociedade mais justa com os seres vivos com os quais partilhamos o planeta.

Deixar um comentário